WhatsApp

Blog

Como prestações impossíveis podem ser motivo de revisão de valores de locação?

Uma grande parte da população brasileira vive em imóveis locados, bem como, uma infinidade de estabelecimentos comerciais, indústrias e prestadores de serviço montam seus negócios locando imóveis.

Diante disso, os contratos de locação têm como base legal principal, a Lei 8245/91, a qual disciplina a relação locatícia entre as partes. Em especial, o artigo 18 que trata da possibilidade de reajustar o valor das locações de comum acordo a qualquer tempo e o 19 que oportuniza a revisão judicial dos valores.

A pandemia do COVID19 evidenciou algo que já ocorria durante as crises econômicas passadas, que é o desequilíbrio contratual que pode causar uma prestação impossível pela redução nas fontes de renda por decréscimo da atividade econômica, altas taxas de juros e inflação elevada. Ou seja, motivos suficientes para rever os preços dos aluguéis.

Assunto muito importante para locadores e locatários possam entender e pensar no reequilíbrio. Nesse artigo falaremos sobre:

1. O que é prestação impossível?
2. O que a lei de locações fala sobre ações de reajustes?
3. O índice de IGPM pode ser motivo para revisão de reajustes?

Diante disso, explicaremos melhor esses itens abaixo.

O QUE É PRESTAÇÃO IMPOSSÍVEL?

A prestação torna-se impossível quando por certas circunstâncias o devedor não consegue cumprir com a obrigação.

Estabelece o artigo 248 do nosso código civil que se a prestação do fato se tornar impossível por culpa do devedor, este deverá indenizar o credor por perdas e danos, caso contrário, sem culpa, a obrigação se resolverá.

Esta é uma das teorias que poderá se aplicar aos casos de locação de imóveis, principalmente os comerciais, onde os decretos de fechamento fizeram com que as operações que geram a renda do negócio fossem bruscamente interrompidas, levando a uma prestação impossível de ser cumprida, sem culpa do devedor e portanto, motivo de revisão contratual para reequilíbrio ou resolução da obrigação.

O QUE A LEI DE LOCAÇÕES FALA SOBRE AÇÕES DE REAJUSTES?

Os contratos de locação são geralmente de obrigação continuada e com isso, a obrigação de pagar é diferida ao longo do tempo de vigência.

Conforme citamos, há a previsão legal na Lei de locações nº 8245/91, em seu artigo 18, os reajustes de valores das mensalidades ou o ajustamento de novos valores para a locação, desde que convencionado entre as partes.

Já no artigo 19 da referida Lei, caso as partes não cheguem em um acordo quanto aos reajustes ou atualizações, poderão buscar a mediação do poder judiciário, o qual definirá com base no ordenamento jurídico aplicável ao caso concreto.
Diante disso, podem ser motivos de interferência do Juízo:

1. Prestações impossíveis que causam para devedor extremo esforço fazendo com que este não consiga cumprir com as obrigações;
2. Aplicação da teoria da imprevisão, quando algo ocorre inesperadamente afetando sobremaneira as condições contratadas após o início da vigência;
3. Onerosidade excessiva causada por fatos relevantes desequilibrando o contrato.
Conforme citamos, muitos decretos de fechamento de estabelecimentos que ocorreram durante a pandemia podem enquadrar contratos de locação nas situações acima citadas e ensejar uma revisão contratual judicial, de forma a reequilibrar tais contratos.

O ÍNDICE DE IGPM PODE SER MOTIVO PARA REVISÃO DE REAJUSTES?

Tendo em vista o IGPM ser o índice mais utilizado para reajustar os contratos de locação, bem como, ter sofrido fortes alterações no último ano, pois ultrapassou os 37% no acumulado, enquanto que o IPCA ficou em torno de 8% pode ser motivo de revisão contratual.

Em que pese o fato do ordenamento jurídico apontar pela menor interferência do judiciário nas relações contratuais, podemos observar que nesses casos, a diferença entre um índice e outro ultrapassa trinta por cento e pode colocar o locatário em extremo desequilíbrio em relação ao locador.

Tal desequilíbrio, se persistir, pode tornar a prestação impossível de ser cumprida, motivo de revisão judicial.

Diante disso, e do fato da economia ter alavancado o IGPM em níveis insuportáveis pelos locatários, o judiciário se posicionou em vários julgados pela substituição pelo IPCA e outros que guardem melhor relação com os índices inflacionários de forma a trazer o reequilíbrio contratual. Porém, não houve entendimento pacificado, o que levou a discussão ao STF para análise, a qual aguarda conclusão.

Por fim, independente da resolução quanto a utilização do índice de correção, é essencial analisar o caso concreto para aplicação de revisões judiciais com base na onerosidade excessiva e na teoria da imprevisão, matérias que podem ser avaliadas por um especialista.

O escritório Bernardi Advogados se dedica a diversas demandas desse mercado, garantindo assessoria jurídica de nível elevado.

Ainda ficou com alguma dúvida? Comente abaixo, estaremos à disposição para orientá-lo e seguiremos compartilhando informações importantes.